LINKS DO ASSU

sexta-feira, 30 de julho de 2010

PALÁCIO ULISSES OLEGÁRIO LINS CALDAS

ULISSES OLEGÁRIO LINS CALDAS, natural de Assu-RN, nascido a 5 de maio de 1846 e faleceu a 7 de novembro de 1866. Era filho do Alferes FRANCISCO JUSTINO LINS CALDAS e de MARIA GORGÔNIA HOLANDA WANDERLEY. Aos 18 anos, 10 meses e 12 dias de idade integrou o 29º Corpo Voluntário da Pátria composto por brasileiros que marcharam para a Guerra do Paraguai foi a Guerra do Paraguai, voluntariamente, combater contra o ditador paraguaio Solono López.

O fato ocorreu no dia 17 de março de 1865. No mesmo dia recebe a patente de Alferes e no dia 4 de setembro de 1865 de Tenente

"Foi o maior e mais sangrento conflito armado internacional ocorrido no continente americano". A tríplice aliança Brasil, Argentina e Uruguai, derrotaram o Paraguai. Ulisses, tinha apenas 20 anos de idade. Pois bem, sobre este bravo potiguar do Assu, comenta Câmara Cascudo no seu livro intitulado "O Livro das Velhas Figuras. vol. que, "uma tarde, no acampamento, uma explosão brusca abalou as barracas. Ulisses, mais próximo do local, foi atirado, como uma bola, projetando-se por cima do parapeito da trincheira. Lesto, sacudindo a poeira que lhe cobria a farda, retomou, calmamente, o canto que ocupara, explicando, impassível: foi nada! Um pequeno passeio de balão!"

Num combate, carregando a baioneta, rebentou no meio da tropa, uma mina. Areia, fogo, pedra, estilhaços, voaram semeando a morte, escurecendo o ambiente que se tornou trágico, na irreprimível onda de pavor. De espada em punho, negro de pólvora, desvairado, Ulisses Caldas passou, como um relâmpago, para a vanguarda do seu pelotão gritando: "Avança, camaradas! Ainda é vivo Ulisses!"

E todo batalhão em acelerado, faiscando de entusiasmo, foi apresentado ao seu comandante como um verdadeiro Heroi. Foi promovido ao posto de tenente e condecorado com a imperial Ordem do Cruzeiro, a mando de D. Pedro. Foi o primeiro soldado a penetrar nas trincheiras inimigas, tomando dois canhões na tomada de Curuzu, onde lá colocou o pavilhão nacional".

O seu corpo descança em campos paraguaios e o seu nome estampa em letras vivas nas páginas da história. Ele ainda é ou já foi nome de praça em Porto Alegre-RS, é nome de rua em Natal desde 13 de fevereiro de 1884, no centro da cidade, bem como é nome de rua na sua terra natal.
FONTES: LIVRO CÂMARA DO ASSU - A HOSTÓRIA, DE AURICÉIA ANTUNES DE LIMA E BLOG DO FERNANDO CALDAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário